Artigo - A relevância do movimento sindical na Bolívia, no Chile...e nos Estados Unidos

Nas vitórias populares na Bolívia e no Chile e na dura disputa eleitoral nos Estados Unidos quero destacar nelas o papel dos movimentos sindicais respectivos.

O golpe reacionário na Bolívia afastando o presidente Morales e agredindo os sindicatos, os movimentos populares e os indígenas, enfrentou desde sempre forte resistência social que teve uma orientação política correta (até mesmo autocrítica) e reagrupou os derrotados, unificou-os e os levou à vitória nas eleições um ano depois do desastre.

Em todo o processo o movimento sindical foi ativo e bem orientado, tendo um dirigente da COB (Central Operária Boliviana) sido eleito vice-presidente.

No Chile depois da explosão da revolta juvenil e popular contra um irrisório aumento de tarifa de transporte organizou-se rapidamente uma coordenação nacional dos sindicatos, dos movimentos sociais e de ativistas que deu ao processo a orientação democrática exigindo uma Constituinte que anulasse a antiga Constituição do ditador Pinochet.

A reivindicação casada com manifestações nas praças de todas as cidades atraiu os partidos políticos (até mesmo os da situação) e os encarregou do encaminhamento institucional da solução, sujeita a plebiscitos agora vitoriosos, apesar da repressão e das manobras do presidente da República (exigência de quórum de 2/3 nas votações, por exemplo) e do descalabro amedrontador da pandemia.

Em todo o processo garantiu-se o papel unificador dos grandes sindicatos, de mineiros e de funcionários públicos e a participação de quadros políticos capazes de orientar os partidos tradicionais e de esquerda. Abre-se agora durante um ano a difícil luta na Constituinte, começando pela eleição de seus 155 componentes, metade dos quais homens e metade mulheres e uma porcentagem de indígenas.

Nos Estados Unidos assolados por Trump e pela pandemia a participação das direções sindicais no processo de organização da candidatura presidencial dos Democratas, que disputa com vantagem as eleições, contribuiu para a amplitude da campanha e reaproximou os dirigentes sindicais de suas bases (algumas das quais momentaneamente seduzidas pela demagogia do presidente).

Em todo o processo a orientação correta da unificação partidária e eleitoral contou com a experiência e os recursos financeiros dos grandes sindicatos.

Ficam algumas lições:

1-       A necessidade premente da orientação democrática correta e unitária para a estratégia adotada;

2-       Levar em conta as necessidades e os anseios do povo;

3-       O peso e a relevância do movimento sindical dos trabalhadores em todo o processo.


João Guilherme Vargas Netto
É membro do corpo técnico do Diap e consultor sindical de diversas entidades de trabalhadores em São Paulo