Artigo - Para onde vamos?

É dessa plataforma que desembarcaremos de 2020 para 2021. Uma escuridão total. Nunca aconteceu isso antes. Sempre tínhamos alguma esperança. A pandemia de covid-19 é responsável, em grande parte, por essa tragédia. A outra parte cabe ao governo Bolsonaro, que até agora não disse a que veio. Bem, sejamos honestos. Disse, sim: arrumou confusão com as instituições (STF, Congresso, minorias), ameaçou com a volta do AI-5, e não criou nenhum projeto econômico para o país.

O desemprego aumentou. Temos hoje 14,1 milhões de desempregados. Mais da metade da força de trabalho (47% de 82 milhões) não tem emprego. Cerca de 68 milhões são informais. Vivem com o auxílio emergencial, que era de R$ 600, e agora, em setembro, caiu para R$ 300. E em janeiro, não tem mais nada. Quase 6 milhões são desalentados (não saem mais de casa para procurar emprego. Perderam toda e qualquer esperança). E cerca de 10 milhões, segundo o IBGE, passam fome. Somos apenas a 12ª economia do mundo. Fomos ultrapassados pela Rússia, Coreia do Sul e pelo Canadá, que possuem populações menores.

O Brasil está num encruzilhada sem tamanho. Luzes surgem no fim do túnel. Mas as eleições municipais apontaram caminhos. Nada de radicalismos de direita ou de esquerda. O bom senso tem que prevalecer. O projeto político a ser construído tem que levar em conta a proteção social, a inclusão das minorias e a proteção da democracia. Como chegar a esse objetivo é um caminho complicado. Até porque a covid-19 tem um repique e não há projeto do governo federal de como essa situação deve ser resolvida. Os governos estaduais estão fechando as portas de novo e isso complica a retomada econômica. A vacina é a grande chave do sucesso, mas sua chegada ainda não tem previsão e nem se sabe qual será.

Donos de restaurantes, de salões de beleza, de ginástica estão reduzindo as atividades. Na verdade, a epidemia volta a atacar o varejo e, tomara que as baladas de fim de ano, festas de Natal e Ano Novo não compliquem ainda mais a situação, para que janeiro volte a ser um caminho viável e sem complicações. A inflação da alimentação aumentou na batata, no óleo de soja, no arroz e na carne de boi, mesa normal de todo o brasileiro. O Brasil tem a pior concentração de renda das Américas e 1 em cada 5 brasileiros não tem dinheiro para viver. E o governo federal nem sabe como resolver essa situação.

A UGT (União Geral dos Trabalhadores), maior central sindical de comércio e serviços, com 1.300 sindicatos em todo o Brasil, está preocupada com a inclusão social, especialmente o emprego de jovens. Já fizemos 5 mutirões e, a cada vez, percebemos que a juventude não tem emprego por falta de formação profissional básica. Estamos na 4ª revolução industrial, voltada para a inovação tecnológica, e ainda não encontramos caminhos para colocar os nossos jovens para trabalhar, cuidar da vida, o que é um grande pesadelo para a sociedade.

A UGT entende que, de janeiro em diante, o governo vai ter que estabelecer um piso salarial para pobres e desempregados. Não há outra saída. A não ser que aconteça o milagre da multiplicação dos pães, como nos tempos de Jesus Cristo. Já temos a pandemia do coronavírus, que está matando desde março. Agora, vem a 2ª onda, que ninguém sabe o que vai acontecer. O desemprego está crescendo, e, na sequência, pode surgir a pandemia da fome. E aí, salve-se quem puder.

Fonte: Poder360


Ricardo Patah
Presidente da UGT