Artigo - Cortinas de fumaça

O desfile de tanques e blindados em Brasília na terça, 10 de agosto de 2021, foi ridículo, um vexame mundial, inclusive com manchete de jornal tratando o Brasil como uma “república de bananas”. 

Falar em coincidência de datas entre este desfile feio e a votação do voto impresso no Congresso Nacional é subestimar a inteligência das pessoas.

Bolsonaro age como se fosse um “moleque” deslumbrado com seus “brinquedinhos” de guerra. Ataca a democracia, intimida o Judiciário e pressiona os deputados pelo voto impresso, que seria a única forma de o presidente, já derrotado, tentar manipular as eleições.  

Com estas cortinas de fumaça, o governo busca esconder a sua falência na economia e no combate à pandemia que já vitimou quase 570 mil pessoas no Brasil: número que poderia ser bem menor se tivéssemos desde o início uma organização nacional e se as vacinas tivessem chegado mais cedo.

O desemprego cresce (com 15 milhões de desempregados, outros milhões de desalentados, em trabalhos precários e subocupados), o custo de vida está nas alturas, a renda cai, não há mais política de valorização do salário mínimo, os direitos da classe trabalhadora continuam sendo atacados e aumenta o número de pessoas em situação de rua, sem moradia digna e passando fome, principalmente pela falta de políticas públicas de geração de emprego com qualidade e de inclusão social.

Por tudo isto, a sociedade brasileira, que corretamente, em sua maioria, não aceita retrocessos democráticos, precisa escolher melhor seus representantes para que o Brasil supere este caos político, econômico e social e volte a trilhar o caminho do desenvolvimento.

A democracia é o bem maior do País e a única oportunidade para as pessoas mais pobres sofrerem menos e superarem as dificuldades.


Chiquinho Pereira
Presidente do Sindicato dos Padeiros de São Paulo e da Febrapan (Federação Brasileira dos Trabalhadores nas Indústrias de Panificação, Confeitarias e Padarias) e Secretário de Organização, Formação e Políticas Sindicais da UGT