Artigo - É preciso respeitar os direitos adquiridos

O pente-fino nos benefícios concedidos pelo INSS proposto pelo governo Bolsonaro (PSL), nos mesmos moldes como foi feito por Temer, indica que os direitos de milhares de beneficiários podem sofrer cortes. Bolsonaro aposta na mesma linha adotada por Temer para conter os gastos: tirar o pouco que resta do trabalhador.

Além de prejudicar milhares de brasileiros, medidas como estas fazem um desfavor a economia brasileira. Ao invés de criar redução de gasto, como o proposto, faz é aumentar. Isso porque, após os cortes, aumentaram consideravelmente as ações na Justiça movidas pelos segurados para reaver os benefícios e pensões de direitos cortados indevidamente. É o que mostra o IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário).

Na mira de Bolsonaro também estão as aposentadorias. Quer mudar as regras e dificultar o acesso, sem se quer dialogar com os representantes dos trabalhadores. As chances de as propostas serem piores que as já apresentadas pelo governo Temer é grande. A equipe econômica de Bolsonaro já sinalizou o interesse pelo regime de capitalização, que pode levar os benefícios abaixo do salário mínimo.

Ainda nem saímos de janeiro e as preocupações em torno dos nossos direitos são gigantescas. Para impedirmos mais ataques, como os propostos pela reforma trabalhista, vamos ter de fortalecer ainda mais a nossa organização, intensificar a nossa mobilização e manter o Sindicato cada vez mais forte. Que se respeitem os direitos adquiridos.


Jorge Nazareno - Jorginho
Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região, membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) da Presidência da República e da direção nacional da Força Sindical