Informativos
Visualizar no navegador | Enviar para um amigo
 
 
 
Informativos | Notícias | Contato
O mundo que queremos no pós-coronavírus

Olá, como vai?!

Confira abaixo o artigo "O mundo que queremos no pós-coronavírus", escrito por Antônio Rogério Magri e José Raimundo de Oliveira.

Ótima leitura!

Beijos,

Sandra Campos
Editoral da Revista e Portal Mundo Sindical
Celular 11-948-137-799

O mundo que queremos no pós-coronavírus

Não temos dúvidas de que não seremos os mesmos depois dessa onda epidêmico-viral que se espalhou com extrema rapidez pelo globo terrestre. E nem entramos aqui nos aspectos das relações sociais, ou dos valores éticos e morais intrínsecos ao capitalismo. Mudanças estão acontecendo e outras virão depois da pandemia.

Porém, em que pese o modelo econômico neoliberal ter sido colocado em xeque, pois   mostrou toda a sua fragilidade diante da coronacrise, diversas atividades estatais que haviam sido privatizadas sob o disfarce de concessão estão por necessidade sendo retomadas sob a égide do Estado.

Não significa, pois, que os defensores do mercado, principalmente o sistema financeiro, aceitem de bom grado essas mudanças em caráter permanente exceto aquelas que são do seu interesse. Elas se dão e se darão no âmbito da luta de classes e a correlação de forças será, neste como em outros casos, o fator determinante com vistas apontar qual será o rumo que essas mudanças irão tomar.

Todavia, se quisermos exercer algum protagonismo nesse processo será preciso muita luta e, para tanto, caberá aos movimentos sociais - com destaque ao sindicalismo – ter a devida clareza no sentido de fazê-lo convergir para o nosso lado por meio de um projeto político próprio. Inclusive com vistas a revogar medidas que, no Brasil, ferem gravemente os direitos e que, em função da pandemia provocada pelo coronavírus, algumas dessas foram apenas amenizadas, porém não rescindidas, e outras inseridas com consequências catastróficas para a classe trabalhadora.

Ressalte-se, entretanto, que o segmento patronal, aproveitando-se da crise instalada, vai querer perpetuar muitas dessas medidas tidas como emergenciais que são do seu interesse particular e não do conjunto da sociedade. Exemplo: as regras da Medida Provisória (MP) 936/2020 que precarizam ainda mais a vida dos trabalhadores estabelecendo a suspensão do contrato de trabalho com redução de salário em proporção extremamente injustas e impostas de forma individual, em vez da negociação coletiva, como determina o Artigo 7º, Inciso XXVI, da Constituição Federal. É uma forma de garantir a reprodução ampliada do capital (com a redução do valor da mão de obra) agora e após essa onda.  Muitos dos aspectos inseridos na dita MP e previstos para durar dois meses poderão permanecer, bem como a ajuda financeira às grandes empresas, com destaque aos bancos.

Por outro lado, torna-se fundamental lutar pela completa reestatização de serviços essenciais, como, por exemplo, a saúde pública que caminha para o completo sucateamento e, em consequência, a sua privatização.

Todavia, diante da gravidade gerada pelo coronavírus, economistas e governos reconhecidamente neoliberais, defensores do estado mínimo, tiveram que retroceder em diversos aspectos. Em países como os Estados Unidos, França e Itália, deu-se um verdadeiro cavalo-de-pau de 180 graus. Pois nessas horas, como em outras passadas, os problemas somente se resolvem com o Estado à frente do processo.

Acreditar que por si as coisas mudarão não passa de um terrível engano. Os que possuem dinheiro e vêm ganhando com o desmonte do Estado e a precarização da força de trabalho não vão de modo algum querer abrir mão disso. Somente a luta organizada e, dependendo da situação, radicalizada, (sem peleguismo) fará a diferença.

Como disse alguém entendido no assunto, duas questões fundamentais o coronavírus escancarou: 1) quem de fato gera riqueza não sãos as maquinas, as tecnologias (informática, robótica, etc.), mas a força de trabalho; 2) o capital não vive sem o Estado.

Os endinheirados têm procurado de todas as maneiras negar aos trabalhadores o acesso ao Estado, vez que, apropriando-se politicamente do controle da máquina pública, agem visando desmontar direitos fundamentais (incluindo o aparato social protetivo essencial para assegurar  cidadania aos que produzem a riqueza), além de  atuar objetivando atrair para si parcelas cada vez maiores do Orçamento público. Esse tipo de apropriação é hoje, aqui e em boa parte do mundo, a principal fonte de enriquecimento dos já muito ricos.

Ainda que esteja demonstrado que o modelo econômico neoliberal fracassou ele não desaparecerá por si. Sendo uma minoria a parcela detentora do capital, a tendência é concentrar cada vez mais a riqueza em poucas mãos gerando desigualdade e, consequentemente, mais exploração e miséria. Damos ainda como exemplo a crise financeira mundial de 2008. Achava-se naquele momento que o neoliberalismo estaria morto e não foi o que aconteceu. Após salvar empresas e bancos e estabelecer algum tipo de regulamentação ao capital financeiro, o que se viu foi o Estado mais uma vez se retirando das suas funções primordiais e o mercado (que não é  de modo algum distributivista, solidário) reocupando parte do espaço que no momento da crise ele havia perdido.

Portanto, sem a luta organizada da classe trabalhadora e com um projeto sobre onde se pretende chegar, inclusive tendo nessa pauta a conquista do Estado, as coisas tenderão a piorar. Precisamos muito pensar sobre o que é preciso fazer.  Até porque a história não perdoa os que se atrasam.

Antônio Rogério Magri - Consultor sindical e ex-ministro do Trabalho e Previdência Social.

José Raimundo de Oliveira – Historiador, professor e ativista social

 
Ampliação do auxílio emergencial de R$ 600 será votada pelo Senado na segunda
  O Plenário do Senado pode ampliar para mais pessoas o auxílio emergencial de R$ 600 que está sendo pago a trabalhadores de baixa renda prejudicados pe...
VER MAIS

Atuação do Sintracomos resultou em pagamento na empreiteira G&E
  Surtiu efeito a paralisação das atividades da empreiteira G&E Manutenção e Serviços na empresa Cesari Multimodal, em Cubatão, das 7 às 11 horas desta ...
VER MAIS

Mais uma semana de tensão para os trabalhadores do setor calçadista
  Logo na primeira semana do anúncio das medidas, a entidade passou a responder quase que 24 horas por dia todas as dúvidas de quem atua no setor courei...
VER MAIS

Diretoria do Sindpd debate procedimentos para ampliar acordos de proteção contra Covid-19
  Salário médio da categoria está acima do limite liberado pela MP 936
VER MAIS

Químicos da Força e CEAG-10 assinam Convenção que garante emprego e renda neste momento de pandemia
  O objetivo é assegurar o emprego, renda e segurança jurídica diante das atuais mudanças nas relações entre capital e trabalho
VER MAIS

STI Bauru divulga podcast sobre os impactos do coronavírus na vida dos trabalhadores
  No Podcast Fique Sabendo, do Sindicato dos Químicos de Bauru, o presidente da entidade, Edson Dias Bialho, que também é secretário geral da FEQUIMFAR,...
VER MAIS

Sintrabor garante estabilidade no empregode 8 meses aos 2,5 mil trabalhadores da Prometeon
  Conquista vale para acordos de redução da jornada e salários de 25% proposto pela emrpesa
VER MAIS

PE: sindicato conquista estabilidade para 12 mil trabalhadores até 31 de dezembro
  Trabalhadores do Polo Jeep de Pernambuco terão direitos e benefícios garantidos até 31 de dezembro e a maior dos que estão com jornada reduzida contin...
VER MAIS

Sindjors e Fenaj repudiam agressão de jornalistas em Porto Alegre
  Três jornalistas foram agredidos por apoiadores de Bolsonaro que faziam ato pela volta da ditadura na capital gaúcha
VER MAIS

Trabalhadores defendem barrar o golpe de Bolsonaro e garantir a Democracia
  As centrais sindicais abaixo assinadas repudiam a escalada golpista liderada pelo presidente Jair Bolsonaro.
VER MAIS

STF mantém possibilidade de redução de salários por acordo individual em decorrência da pandemia
  Em julgamento por videoconferência concluído na sessão extraordinária desta sexta-feira (17), o Plenário negou referendo à liminar concedida no início...
VER MAIS

 
 
 
 
 

Facebook Twitter YouTube