Notícia - Sindicato luta contra prática antissindical de empresa prestadora de serviço da Refap

O STICC (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de Porto Alegre) no último 23 de março mobilizou os trabalhadores que decidiram  pela paralisação dos trabalhos com o objetivo de pressionar a empresa que não quer negociar.

Já no primeiro dia o STICC deu início às mediações entre as partes buscando a resolução da negociação. A data-base da categoria é em junho.

A empresa que não quer negociar, definiu uma série de sanções aos trabalhadores, incluindo desconto dos dias parados e até demissão por justa causa. Um claro movimento para enfraquecer a greve.

Após várias conversas entre trabalhadores e patrão, na última segunda-feira foi realizada reunião no TRT 4ª Região, com participação do MPT (Ministério Público do Trabalho) e da empresa.

A decisão após reunião foi:


  • não descontar os dias parados;

  • não demitir por justa causa.


No dia seguinte, 2 de abril, o sindicato realizou assembleia com os trabalhadores que aprovaram por unanimidade a decisão do TRT 4ª Região.

O STICC continua ao lado dos trabalhadores para conquistar mais benefícios para a categoria.



Fonte:  Redação Mundo Sindical - Manoel Paulo com informações do STICC - 03/04/2024


Comentários

 

O Mundo Sindical e os cookies: nós usamos os cookies para guardar estatísticas de visitas, melhorando sua experiência de navegação.
Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.